quarta-feira, 3 de junho de 2009

Apresentação

Até meados do século XVIII São Paulo ainda era vista como uma cidade pouco desenvolvida, com cerca de 20 mil habitantes. É nesse cenário que encontra-se a região central da capital paulista. O avanço eminente das indústrias gerava transformações sociais por todo o país, o que não poderia deixar de ser diferente nesta região.
A partir do século XIX as construções que deram a São Paulo ares urbanos e modernos foram valorizadas, padronizando as áreas públicas e privadas. Em 1891 a iluminação passa a ser elétrica. Começa o tráfego de veículos, que ao se tornar cada vez maior, necessitou de estacionamentos: Pátio do Colégio, Largo São Francisco, Largo da Luz, entre outros lugares. Logo surgem as linhas dos bondes. Nas lojas do Centro se encontrava de tudo: charutos importados, destilarias, tecidos ingleses, roupas com corte francês, especiarias do Oriente; enfim, através do consumo, a cidade fazia de si uma extensão ligeira do Velho Mundo. A ambição pelo status europeu fez da capital um centro de comércio diversificado, com características estrangeiras, presentes também na arquitetura do ambiente. Essa era uma época onde as mulheres usavam tecidos nobres. A fé católica era levada em grande consideração, como visto, as grandes igrejas do centro de São Paulo.
Os jornais se tornam se tornam almanaques literários. As faculdades tradicionais da capital abrem portas aos filhos de pais abastados.
Mas logo todo o tradicionalismo se perde, cedendo lugar as novas tecnologias, movimentos sociais e políticos, a moda e a estética, o popular e a cultura.
Dividido entre uma parte antiga e uma parte nova, o atual Centro Histórico de São Paulo é composto por diversos monumentos que contam a história da cidade. Na parte antiga (leste do Anhangabaú), encontram-se várias igrejas, como, São Francisco São Bento e a Catedral da Sé. E do lado considerado novo, (ao oeste do Anhangabaú), estão a Praça da República, Teatro Municipal entre grandes pontos importantes. A população segundo o site Viva o Centro, com dados oficiais do IBGE estipula para a região da Sé 16.230 habitantes, República 44.033 habitantes,(1999).
O Centro Histórico de São Paulo hoje é visto de várias formas, pois é por ali que passa a grande massa de população trabalhista, turística ou simplesmente “transitória”. Todos estão com pressa ou de passagem, então seria maravilhoso trazer-lhes um pouco do que eles perderam ao passar.
.
(Todas as informações utilizadas para o composição desse texto foram retiradas do site: http://www.vivaocentro.org.br/hp.htm)
.

2 comentários:

  1. Boa noite!!!

    Gosto muito do teu blog. Assim, escolhi este teu blog com um selo, como homenagem e agradecimento.

    Quando puder, passe no meu blog e pegue o teu selo, tá bom?

    Um grande abraço,
    Jorge

    ResponderExcluir
  2. A Andança.

    Entro no Áspera Seda, onde o bom Michel luta contra o anonimato. No auto de um quadro de 788 faces eu encontro os alunos do projeto da UNINOVE, e me apresento. Ando mais um pouco, um clic, e estou em outro mundo. Ouço uma canção que não rima com nada e combina com tantas coisas. Vou. Vejo. Falo.

    Sou Jefhcardoso do http://jefhcardoso.blogspot.com e decidi escrever o diário da andança.

    ResponderExcluir